natalia

terça-feira, 27 de outubro de 2009

"One More Time With Feeling"


Se os corações fossem pequenas casas, a cada pessoa seria destinado um cômodo.
A grande maioria jamais passaria da cozinha. Ficaria por ali, perambulando, à espera de um convite para a disputada sala de estar, onde tudo supostamente estaria acontecendo.
Enquanto isso, algumas pessoas seriam encaminhadas à área de serviço, onde tentariam colocar as coisas em ordem. Iriam lavar, passar, limpar. Tudo para agradar e, quem sabe, ser recompensadas. Mas, mesmo que o dono da casa as tratasse com carinho, no fundo, elas saberiam o seu lugar.
Os que forçassem a entrada seriam mandados diretamente para o banheiro, onde ficariam presos até que o proprietário decidisse dar ou não a descarga final.
Aos poucos sortudos, caberiam os quartos. No plural, porque o dono da casa saberia que, ao longo da vida, iria receber mais de um hóspede importante.
Alguns seriam jogados no lixo, é triste admitir. E depois seriam levados para fora de casa, em grandes sacos pretos. Outros até trocariam de cômodo. Dentre os festeiros da sala, um deles poderia passar a noite no quarto. Talvez mais de uma. E, talvez, depois de várias noites, esse mesmo indivíduo poderia acabar indo embora pela descarga.
Não existem regras definidas para o funcionamento dessa pequena casa. Uma mesma pessoa pode ocupar diferentes cômodos em diferentes corações. Você pode estar fadado à área de serviço de um, mas também pode ocupar a suíte master de outro.
Todos nós, se já não estivemos, ainda estaremos em cada um desses lugares e experimentaremos a frustração de não nos sentirmos devidamente alocados. Mas, com sorte, também saberemos como é bom ser escolhido para um cantinho quente e protegido da casa.
De todo jeito, a maneira mais surpreendente de se conquistar um coração é quando você entra pela área de serviço, de mansinho. Sem muito alarde, você chega até a festa da sala e, pouco a pouco, acaba se destacando entre os demais convidados. Quando menos espera, sua escova de dente já está no banheiro. Abrir a porta do quarto agora é uma mera formalidade. Porque, a essa altura, a casa inteira também é sua.

Texto inspirado em conversa com os amigos psicóticos Diogo e Carol, e catalisado por uma ligação telefônica.

video
(Eet - Regina Spektor)

14 comentários:

  1. kkkkkkkkkk
    Pode crer! rsrsrsrs
    Ótima analogia... mas esqueceu de falar dos ladrões, que só entram pra bagunçar tudo, pegar o que é importante e sair correndo antes de sair em saco preto ou descer pela descarga...
    Esses ficam sempre lá, num maldito B.O.

    ResponderExcluir
  2. Ladrão direto! Ataque de pivetinhos, mas eu gosto é da cozinha: sempre gulosa!

    ResponderExcluir
  3. Bom mesmo é tá ocupando tudo.Sempre sendo lembrada de bons e momentos ruins. E se for colocada na suíte do abõr, =~~~. Já imaginou?!

    ResponderExcluir
  4. Piscodélica linda do meu coração!
    Já descobri o motivo da minha vontade), mas não vou revelar, pra não perder a graça...
    Até pq, o único add que pretendo fazer com você, minha linda, é na minha (grande? pequena?) lista de conquistas.
    Sobre o texto de hoje, percebi uma meiguice que até hoje não tinha visto em seus textos. E bom, eu não preciso nem entrar nessa casa, ficaria feliz em te dar uns pega no elevador...

    PS: boa sacada da Mariana.
    Araújo.

    ResponderExcluir
  5. Ai, que must teu blog. O texto da casa, sim, acabei de por o lixo pra rua, e ainda sinto seu cheiro nos meus dedos...sabe como é saco de lixo. O do bundudo, bah, pior quando é cabelos nas costas, tem que ser muito legal né?
    Daí talvez até tu pense menos sobre o que está obssessivamente olhando, mas se não tem papo...

    adorei seu blog

    bjão

    ResponderExcluir
  6. a-do-rei a sacada da mariana araujo!
    landrão de casa é o que não falta nesse mundo...
    =]

    ResponderExcluir
  7. Mari Araújo,
    Também adorei sua sacada!
    Vou incluí-la no meu próximo texto, posso?

    Eu sou o Google,
    Sério, você é? Deixa eu te falar uma coisa, então. Detesto quando você me corrige dizendo "você quis dizer tal palavra". Acho muito presunçoso da sua parte. E se eu realmente quisesse dizer a palavra que eu digitei? Hein? Hein?
    Brincadeira. Bem-vinda ao blog! Volte sempre!

    Beijos a todos.

    ResponderExcluir
  8. Concordo q o melhor mesmo é estar em todos os lugares... mas é foda quando a gente se apaixona e nos fazm acreditar q a casa toda é nossa. Isso é tão bom q nos cegamos... entramos direto para a suíte master, passos a noite - ou algumas noites, vamos p a cozinha, damos uma mão na área de serviço e, sem perceber, somos descartados em sacos pretos. E o pior de tudo isso é se dar conta da farsa apenas quando já se está dentro da lata de lixo. E isso acontece mais do que se imagina... rsrsrsrs

    Ótimo textoo!!

    ResponderExcluir
  9. lindo mesmo... eu só acho que a grande maioria fica mesmo é na varanda ou só passa pela rua, acena e segue em frente, nem passa do portão. é verdade, alguns tentam invadir à força. outros a gente deixa entrar, dá confiança, e eles saem de fininho levando algum tesouro inestimável e grande parte da auto-estima. alguns não se contentam em roubar, mas batem na gente e quebram tudo, deixando a casa em ruínas... gosto de pensar que na sala de estar ficam todos os colegas, o pessoal da festa. acho que pra cozinha só passam mesmo os amigos, que cozinha é lugar íntimo, onde a gente fica conversando até de madrugada, comendo pizza fria, ou tomando café com muito açúcar e broa de milho. é onde eles ajudam lavando a louça e quem sabe uma roupa suja na área de serviço. cada um desses amigos tem um quarto reservado e são os que ficam quando a festa acaba. mesmo quando estão longe. alguns chegam ao quarto, mas acho mesmo que a maioria fica no quarto do motel ou no banco traseiro do carro. pra mim, na suite master só pode restar um. quem entrou e não ficou, pode ficar no sotão, entre as lembranças boas e doídas, ou no porão entre as lembranças ruins que a gente não consegue jogar fora. banheiro... hmm, o lavabo até pode ser socializado, mas dividir o da suite é para poucos... então um dia o sótão e o porão podem ficar muito cheios de bugigangas, aí chega a hora da faxina e de jogar os sacos pretos na caçamba do lado de fora. aí a Comlurb do corpo se encarrega de se desfazer dos detritos...

    ResponderExcluir
  10. Só vou dizer que a Regina Spektor me desperta paixões... Ou seja, perdeu Natalia! hehehehehe... ^_~

    ResponderExcluir

 
Designed by Thiago Gripp
Developed by Márcia Quintella
Photo by Biju Caldeira