natalia

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Weiss Fühder


Eu era estranha na escola. Tá, eu sei! Eu ainda sou estranha. Deixe-me reformular, então. Eu era feia na escola. Toda errada. Pra começar, era muito alta pro resto da turma. Tão desproporcional que até a minha mãe admitiu que tinha uma certa vergonhinha de ir nas apresentações de fim de ano, porque eu parecia uma repetente oligofrênica. E isso porque ela é minha mãe, né!
Por ser muito alta, eu andava meio curvada, sabe, "Quasímodo style". Usava óculos, aparelho e, revendo as fotos da época, estou quase certa de que também usava um gambá morto no cabelo.
Minhas amigas eram todas bonitinhas e namoradeiras. Lembro na sexta série, quando elas já trocavam figurinhas, contando quem tinha ficado com quem. E, lógico, tinham aquelas meninas que todos os meninos queriam. Eram as mais nojentinhas, as mais cruéis, as que eu mais queria ser.
Felizmente, com o tempo, as coisas foram melhorando pro meu lado. Quando entrei pra faculdade, já não havia mais nenhum resquício daquele ser corcunda e com óculos enormes.
Quanto às mais bonitas da escola, soube que uma virou puta. Sério, é verdade. Outra engravidou novinha e hoje é mãe de dois filhos. A terceira, a que eu mais admirava, teve um destino super trágico. Foi morar na Alemanha com um cara rico...............
Ha-ha, se ferrou...............
Ah, fiquei puta! Não tão puta quanto a ex-coleguinha, apenas muito aborrecida. Não é justo! A pessoa não pode ser super popular e escrota na escola e depois se mudar pra Europa e viver na mordomia. A menos que esse lugar na Alemanha seja um campo de concentração, a vida não pode ser assim tão bacana.
Mas aí eu fui no facebook dela e fiquei ligeiramente aliviada. Não, a vida não é assim tão generosa mesmo. Quase não reconheci a beldade, dada a capa de gordura que cobria seu corpo. Aquele corpitcho que tantas meninas já quiseram ter e tantos meninos já quiseram (e provavelmente conseguiram) comer.
Toda estragadinha, coitada, parece tão velha. Mas, em respeito à amizade, não vou contar que os peitos dela se comunicam com o estômago via umbigo.
Alemanha, my ass! Weiss fühder, amigona!
Hoje eu me dou ao luxo de ser metida. De dar uma esnobada de vez em quando. Mas não tem um dia que eu me olhe no espelho e não veja a Natalia da escola. Acho que vou precisar de mais uns dez anos pra me livrar daquele gambá morto no meu cabelo. Já a minha amiga, vai precisar de umas dez intervenções cirúrgicas pra se livrar de tanta banha. Ainda bem que o maridão é rico.

15 comentários:

  1. quando eu tava na 5a série, e era gordinha e troncha, os meninos da turma fizeram uma lista das meninas, dando notas e elegendo "as mais gostosas". claro que as projeto-de-puta ganharam as notas mais altas, mas mesmo assim eu cheguei em casa meio chateada, pois minha nota mais alta fora 0,5. meu pai virou pra mim, olhou no fundo dos meus olhos e disse: Adélia, se você por acaso chegar em casa dizendo que numa dessas listas você tirou 10, eu te encho de porrada!

    ResponderExcluir
  2. pra completar: uma dessas meninas que tirava 10 nas listas já é mãe de dois filhos.

    ResponderExcluir
  3. Disse que eu tô amando chegar aqui todo dia e tá atualizado, =)).

    =**

    ResponderExcluir
  4. Acontece com todas nós [com as "psico-normais", pelo menos].Parece ser bem típico dos tempos de escolas, não?
    Muito boa a postagem, senhorita Natalia. Nada como deixar de sermos inseguras, ops, feinha. Hahaha

    ResponderExcluir
  5. Nossa... cruel! Nunca fiz parte da lista das gostosas quando mais nova.
    Aos 15, minhas mãos foram eleitas as mais bonitas na minha sala(premio de consolação!!!!!) mas, depois, no curso técnico, alguns carinhas (bah!) construiram a mulher perfeita elegendo as partes do corpo mais bonitas das alunas - meu rosto foi modelo. Fiquei feliz na época. Mas triste pq sempre ouvi: tem o rosto lindo mas é "gordinha".
    De boa: os homens tem a incrivel capacidade de serem cruéis nesse quesito. Os homens escrotos, diga-se de passagem!

    ResponderExcluir
  6. é incrivel o que uma pessoa não faz para receber um elogio. Uma pessoa que é MAGRA, ALTA, LINDA, fica fazendo o estilinho eu era uma pobre-coitada n 4a. série, só para se livrar da culpa de ser ALTA, MAGRA E LINDA.

    Eu vou para Paris, mas a passagem é de milhagem, tá, egnte?
    Eu tenho um namorado incrivel, mas ele ronca, tá, gente?
    Eu comprei um apartamento no Leblon, mas a rua nao é tããão legal assim, tá, gente?

    Resumindo: ninguém me convence que vc era a esquisitiha da turma, exceto com comprovacao fotografica.

    Agora, todo mundo, no corinho: "Foto! Foto!"


    P.s: Eu era gostosa na 5a. série. Será que as esquisitinhas me perseguem na internet e ficam rindo do meu destino cruel?

    ResponderExcluir
  7. erros de digitação e letras invertidas são minha marca regitrada, sorry.
    ou melhor: srory

    ResponderExcluir
  8. Natalia, não desdenhe da sorte de hoje... Amanhã, as coisas podem mudar...
    A puta pode criar um blog, lançar um livro e depois alguém vem e produz um filme baseado em sua vida, colocando a Débora Secco para representá-la.
    A que tem dois filhos pode começar a estudar, faz vestibular, entra em uma universidade e depois vira uma mulher independente e bem-sucedida.
    E a gordinha papa-chouriço entra em uma Academia, faz uma lipo, coloca silicone e vira gostosona de novo.
    E com você, pode ser que... Não, vamos parar por aqui. Não vou jogar praga para ninguém...

    PS.: Essa reforma é mesmo bizarra... Natalia sem acento é no mínimo esquisito...

    Parabéns pelo Blog!!!

    ResponderExcluir
  9. perfeito opost... parece q foi escrito por mim rsrsrs alias, não, pq eu nao tenho tanta criatividade... bjos

    ResponderExcluir
  10. adoreiiiiiiiiii
    rsrsrsrs
    muito bom, como os outros tbm sao.

    ResponderExcluir
  11. Eu sempre gostei de brincar de barbie desde pequeno, e na escola, sempre sofri por fazer ballet, e ser meio...feminino.

    Nunca tive problemas em ser gay, so não tinha responsabilidade pra assumir na quinta ou sexta serie.

    Uma vez na sala de aula, quando o professor não estava, um babaca jogou pro alto um pote de liquid paper aberto, e onde caiu a maioria do liquido?

    Isso mesmo, na bicha aqui!!

    Mas ele nunca mais fez isso, na hora que eu estava todo sujo de liquido de papel, eu disse que o sujeito teria feito aquilo, pq eu tinha me recusado a fazer pegação com ele na hora do intervalo.

    Se fudeu!!

    ResponderExcluir
  12. estranha... sempre fui e tenho fotos pra comprovar. na época a gente falava "mocoronga". eu era baixinha, gordinha, quatro-olhos, meio vesga, monocelha, buço... e cdf. e aos 15 anos fiz permanente. e usei meia de lurex, naquela década que não deve ser nomeada. meu pai tentou ajudar dizendo que eu era inteligente e tinha uma beleza própria, "mignon"... eu tentei acreditar por um tempo, mas depois resolvi que ser exótica seria mais interessante. então fui ficando cada vez mais estranha, fora do padrão, cada vez mais parecida comigo mesma. um tanto excêntrica, interessante. ainda sou baixinha, barriguinha de coca-cola e chocolate, quatro-olhos - a lente deu alergia - e cdf. no resto já dei um jeito. até que estou bem pra quase 50, fora a depressão, mas isso se resolve. e parece que encontrei alguém que gosta dessa mulher estranha, exótica, excêntrica, mais parecida comigo mesma que me tornei, alguém que não se amedronta com a depressão temporária, alguém que sabe lidar com meu excesso de intensidade, alguém que me faz rir no que seria o pior momento da minha vida. se o que temos é o agora, meu agora é ruim mas é bom, como diria o Tom.

    ResponderExcluir

 
Designed by Thiago Gripp
Developed by Márcia Quintella
Photo by Biju Caldeira