natalia

domingo, 25 de julho de 2010

Rapidinhas da Psicótica


"Então o senhor vira na próxima direita e sobe até morrer", disse ao taxista, esquecendo que ele era um velhinho. "Quer dizer, o senhor sobe até o fim", merda, "o fim da rua, o fim da rua!", repetia, nervosa.
A minha sorte é que ele era meio surdo.
"Agora o senhor faz a volta que a rua não tem saída", avisei.
"É, minha filha", ele dizia, reflexivo, "o fim da rua chega pra todos."
Então eu me fingi de surda e fui embora, sem esperar o troco.

15 comentários:

  1. Ai, ai, a psicótica e sua boca grande!!!rsrsr

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkkk
    infelizmente essas coisas acontecem !
    :)
    kkkkk

    ResponderExcluir
  3. Querendo matar o velho pra não pagar o táxi? haha

    subir até morrer....uiui.... kkk
    muito bom!

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    O velhinho tá menos preocupado que você...
    Vai ver ele é Ahasverus e nunca morre!

    ResponderExcluir
  5. Hahahahaha, o melhor é tentando consertar.
    Ou o pior, né, porque isso nunca dá certo.

    ResponderExcluir
  6. taxista sempre dá uma historia, ainda mais os filósofos, muito bom, adoro os pequenos posts!!!

    ResponderExcluir
  7. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...
    Definitivamente a emenda sai pior que o soneto!
    kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. esse fato eh real, vc tava indo pra sua casa?

    ResponderExcluir
  10. então... minha história de taxista foi pior:

    - o senhor entra na próxima à direita e sobe, por favor.
    - aaah, num vô entrá não.
    - como assim? - perguntei olhando para as sacolas com todas a compras de Natal da família de dez pessoas, pensando no sol de 42 graus, pensando no pé doído.
    - ah, se eu subesse que era nessa rua eu nem pegava a sinhora não.
    - mas moço...
    - nãããão, essa rua tem ladeira.
    - mas moço, eu não moro lá em cima, eu moro no meio...
    - é mas tem que subi até lá em riba pra fazê a volta.
    - mas moço, dá pra fazer a volta no portão do meu prédio!
    - aaaahh, num dá não, tem a escola e tá cheio de van e ali tem a calçada o mei fio é muito alto e estraga a suspensão do carro.
    - mas moço... eu tô cheia de sacola pesada, eu sou uma senhora, o senhor não vai querer que eu salte aqui, vai?
    - aaahhh eu num vou subi não, se a sinhora quisé pode saltá, eu dou uma embicada ali e a sinhora salta.
    - mas como assim? isso é um absurdo! o senhor sabia que o senhor tem obrigação de me levar até meu destino? o senhor é um prestador de serviço público autorizado pela prefeitura, o senhor sabia que é proibido negar serviço?

    ele não sabia. nem quis saber. e eu saltei, com sacolas, 45 graus, crianças com aquelas mochilas de carrinho descendo a rua. pra mim, caos total. não se enganem com taxistas velhinhos, eles são psicóticos, tipo... muito.

    ResponderExcluir

 
Designed by Thiago Gripp
Developed by Márcia Quintella
Photo by Biju Caldeira