natalia

sexta-feira, 20 de março de 2009

Adorável Honestidade


As pessoas (ok, ok, a Oprah e o Dr. Phil) sempre falam da honestidade como sendo algo indispensável para um bom relacionamento entre indivíduos. Mas o que elas esquecem - ou simplesmente ignoram - é que a honestidade nunca vem sozinha. Junto dela sempre há filões, que se grudam feito parasitas e distorcem o sentido original da palavra, como o mundialmente conhecido erro honesto.
O erro honesto é aquele deslize que você comete sem querer, sem intenção de causar danos ou malefício a outrem. A diferença entre o erro honesto e o erro convencional é que o primeiro se assemelha mais a um mal-entendido inocente. O erro honesto é a área VIP das mancadas.
Não me levem a mal, honestidade é uma coisa boa. Só que é tipo o anel de O Senhor dos Anéis. Dependendo de como a usa, você pode acabar perdendo o controle.
Uma vez reencontrei um antigo casinho, já não via o rapaz havia alguns anos. Estava toda boba, nervosa, falante, até que ele virou de costas e eu me deparei com a tanajura imensa que tinha tomado o lugar da bundinha proporcional que ele costumava ter. Quer dizer, aquela bunda tinha se tornado algo tão absurdamente gigantesco que eu nem posso dizer que me deparei com ela. Ela que se deparou comigo. Estava viva!
E o mais estranho é que ele não parecia ter engordado. O rosto estava normal, os braços estavam normais, a barriga, tudo. Exceto o traseiro. É como se, de alguma forma, todos os hambúrgueres com batata frita e Coca-Cola que ele havia ingerido durante aqueles anos tivessem ido parar direto na bunda, sem escalas. E eu não sabia o que dizer. Eu mal conseguia falar. Só ficava pensando em como aquela bunda desafiava todas as leis da natureza. "Você está diferente", ele disse, "Está mais bonita". Eu sorri e mudei de assunto, evitando responder: "Você também. O que porra aconteceu com a sua bunda???".
Repito, honestidade é uma coisa boa. Mas é como a pílula vermelha de Matrix. Nem sempre as pessoas estão prontas para ela. E, às vezes, por mais que elas queiram ser honestas, acabam optando pela pílula azul (metaforicamente, tá, ninguém aqui está falando de Viagra).
Por exemplo, suponha que um rapaz esteja num encontro com uma moça e mencione, num dado momento, um episódio envolvendo sua ex. Se ele perguntar: "Você se importa que eu fale da minha ex?" e ela responder que não, é muito provável que seja mentira. Honestamente, ela gostaria de não se importar, mas o que ela realmente está pensando é algo muito próximo de:
"Old Macdonald had a farm, ee-I-ee-I-o
And on that farm he had some chicks, ee-I-ee-I-o"...

Ela não vai mudar de assunto de cara. Antes, vai testar seus limites, tentar transcender o desconforto (como ela faz quando come pimenta), enquanto continua a cantarolar mentalmente:
"With a cluck, cluck here, a cluck, cluck there
Loud as they could be"...

Ser honesto com os outros não é uma tarefa fácil. Implica em riscos e em exposição. Mas talvez seja ainda mais difícil ser honesto consigo mesmo. Deve ser por isso que ainda existem tantos rapazes por aí com mais de trinta, morando com a mãe, ouvindo a coletânea dos maiores sucessos da Bette Midler enquanto compram no Mercado Livre um box com todos os filmes já estrelados pela Barbra Streisand.
"Hooonestyyy is such a lonely word
Everyone is so untruuue"...

7 comentários:

  1. já cantei mto a musiquinha do old macdonal had a farm! hahahahahahahahaha

    ResponderExcluir
  2. pq isso não acontece comigo??? Não reencontrar um casinho com uma bunda imensa, mas sim ver todos os sanduíches, coca-cola e batatas fritas irem parar na minha bunda sem escala...

    ResponderExcluir
  3. Ihhh... essa história da bunda tá diferente! Não foi assim que você me contou não, hein, tá deturpando tudo, sua desonesta!

    ResponderExcluir
  4. Ah, fica na tua, metida. ;) Tenho direito à licença poética! A história é minha e eu conto do jeito que eu quiser! Beijoca.

    ResponderExcluir
  5. Menino Bundudo Ofendido23 de março de 2009 15:31

    Querida Natalia,

    Realmente acredito que você não deveria expor em público a nossa intimidade, ou nesse caso, a minha grande e desproporcional intimidade traseira.

    Em minha defesa, informo que a expansão desordenada e assustadora da região glútea das nádegas inferiores foi de fato um processo inflamatório e passageiro, fruto de uma visita irresponsável ao apiário de um primo, em seu sítio. As abelhas estavam raivosas e eu, ingênuo, apenas de sunga.

    ResponderExcluir
  6. Nada passa por esses olhares 'indiscretos'... rs

    ResponderExcluir
  7. Minha cara psicótica,

    Dizer a verdade cara a cara é fácil.
    O difícil é dizer cara a bunda...

    E, não sei se você se deu conta, mas você passou pela mais masculina das situações. Sim, porque o crescimento da bunda do sexo oposto é uma constante na vida do homem. A diferença é que com o homem acontece pior: a bunda da ex nunca engorda, mas a da mulher com quem você se casa quase sempre sim. Isto é quase uma lei da física. Isto sem falar nos peitos que... (ok, vamos deixar os peitos para um próximo post).

    Beijão e feliz aniversário atrasado,

    PC

    ResponderExcluir

 
Designed by Thiago Gripp
Developed by Márcia Quintella
Photo by Biju Caldeira