natalia

domingo, 6 de maio de 2012

Ch-ch-Changes


Tenho vinte e sete anos. Eu. Tenho vinte e sete. Anos. Não faz muito, eu tinha dezessete e me sentia a pessoa mais desajustada do universo. Ok, não do universo, mas da cidade pequena onde morava. O tempo passa rápido e é impiedoso com os que não se movem. Ainda bem que eu me movi. Falta um bocado para eu me tornar a pessoa com que sonhei na adolescência, mas tenho a tranquilidade de admitir que as coisas não vão nada mal.
Mesmo assim, a proximidade inevitável dos trinta tem me deixado mais reflexiva do que o usual. Dia desses saí com um cara de vinte e três e, pela primeira vez em toda a minha vida, me senti velha. Tudo bem, eu sei que sou nova, não estou falando isso para obter palavras de conforto. Mas é que nossa cabeça não costuma acompanhar os aniversários. Ou as rugas que brotam discretas nos cantos dos olhos - especialmente quando a gente insiste em dormir sem tirar a maquiagem. Eu me sinto uma pós-adolescente até hoje, mas a verdade é que tenho vinte e sete. E aos vinte e sete, minha mãe já tinha uma filha de quase um ano. No caso, eu.
Estou longe de pensar em ter filhos, mas trabalho todos os dias para deixar algo meu no mundo. "Mostrar ao que veio" não é só uma frase de efeito ou algo que se diz antes de uma mulata com glitter começar a sambar. É um sentimento real que com que os seres humanos têm de lidar. É uma tentativa de fazer a existência ter um pouco mais de sentido.
Outro dia, um colega roteirista se referiu a um de seus trabalhos como "não vai ser esse que vai mudar o mundo". Estava no meio de um almoço num restaurante mexicano e a digestão dos burritos retardou um pouco minha conclusão. Mas ela veio e eu não pude deixar de compartilhar, ainda de boca cheia. É pretensioso cogitar fazer qualquer coisa com o intuito direto de mudar o mundo. A menos que você seja o Martin Luther King. Ou o Hitler. Porque mudar o mundo não significa necessariamente mudar para melhor.
Pelo menos no que concerne ao campo das artes, ninguém que de fato mudou o mundo passava os dias pensando em qual seria o melhor trabalho para mudar o mundo. As pessoas que mais admiro simplesmente trabalhavam naquilo que acreditavam. E esse é o primeiro passo para qualquer tipo de mudança. O resto é pura forçação de barra.
Quanto a mim, tenho vinte e sete anos e não planejo mudar o mundo tão cedo. Me contento com as pequenas mudanças que sou capaz de promover. A começar pela minha própria vida. Quando comecei a escrever este blog, tinha acabado de pedir demissão do meu antigo emprego de assistente de produção. Meu trabalho pode não mudar o mundo, mas certamente mudou a minha vida. E, na minha humilde opinião, quando algo é capaz de mudar o status quo de pelo menos uma pessoa, então já possui algum valor.
Antes de cogitarmos a utopia de mudar o mundo, existe uma terefa muito mais simples e igualmente transformadora: mudar de analista. De resto, mantenha a calma, faça o seu e pare de mimimi.

94 comentários:

  1. Nome: Matheus Rios.
    Cidade: Porto Velho - RO.
    Idade: 17 anos.
    Twitter: @livee_

    Natália! (se é que eu tenho intimidade pra te chamar assim pelo primeiro nome.) Adoro seu blog, leio sempre quando tenho tempo livre (sabe né? Vida de universitário - calouro - não é fácil) amo seus textos e adoro a série "Adorável Psicose" no Multishow. Sou seu fã! Adoro você.

    Abraços. Matheus R. (Live.)

    ResponderExcluir
  2. Oi estamos no mesmo barco, fiz 27 anos no dia 02 de Maio e tive as mesmas reflexões que você. A idade cronológica nem sempre reflete nossa idade mental e física, prefiro pensar: "só tenho 27 anos" do que pensar: "já tenho 27 anos". Adorei sua postagem bjs =)

    ResponderExcluir
  3. Seu trabalho muda as minhas quintas para melhor! ;)

    "Ah Changes are taking the pace I'm going through"

    ps: uma pergunta de curiosidade, vc já foi em algum analista lacaniano?

    ResponderExcluir
  4. Seu trabalho pode ainda não mudar o mundo...
    mas toca muitas vidas com humor e inteligência.
    Parabéns, Natália! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc, Daisy.

      Excluir
  5. Acho que temos a cada idade pensamentos que nos fazem pirar.
    Ler você é ótimo.
    Beijos, bom domingo

    ResponderExcluir
  6. tbm tenho vinte e sete anos. tenho dois filho já. mas me sinto reflexiva como tu e credito isso à chegada dos trinta.
    já leu "mulheres que correm com os lobos"? praticamente 1 ano de terapia, viu?

    ótimo texto e tens meu apoio para mudar de analista.

    beijo

    ResponderExcluir
  7. Eu estava justamente falando sobre essas coisas com a minha amiga ontem. Natália, você mudou a minha vida, tá não mudou, mas acrescentou um bocado de coisa nela. Inspirações.
    Beijos e keep writing.

    ResponderExcluir
  8. oi natalia,
    gosto muito do seu blog, e da serie (aguardando a terceira temporada) e imagino que goste de voce tambem, apesar de nao te conhecer. Mas isso nao tem nada a ver com o que eu quero te falar agora.

    Eu estava pesquisando sobre lhamas, porque eu acho elas muito engraçadas e interessantes, e achei um blog chamado blog do garoto-lhama que tem um texto sobre cianeto muito interessante (apesar de ser um pouco depressivo e suicida). Bom direto ao assunto, li o blog (acho que o cara desistiu do blog, porque a ultima postagem foi em 2006) e acho q eu voce pode gostar http://garoto-lhama.blogspot.com.br/
    boa sorte

    ResponderExcluir
  9. Oiiiiiii!!!!!!Tô fazendo 37 e não mudei mto ,qdo estava perto de fazer os 30 !...Triste, né ?!!!Rsrsrsrs...E ainda tenho esperança!!!Bjos

    ResponderExcluir
  10. natália,

    me inspirei em vc e fiz um blog, se tiver um tempinho leia meu texto e me diga o q acha...

    http://perdoemeuslabios.blogspot.com.br/

    :)

    ResponderExcluir
  11. Oi, estava com saudades de suas postagens já.. Adoro ler o que você escreve, seus textos são bem sensatos, ponderados e com a dose de humor necessária.
    Eu estou quase fazendo 32 e penso parecido com você, não acho que devemos ficar na paranoia de querer mudar o mundo, mas sim de fazermos nosso melhor.
    Gosto muito de seu trabalho!
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Acho que aprendo muitas coisas lendo seus textos e comecei a olhar o blog todos os dias desde quando seu texto dos tomates me fez parar de resmungar quando os outros pisavam em mim. E agora eu vou parar de forçar a barra um pouco e não tentar mudar o mundo com algo que eu faça... Vishii, escrevi demais... Ah eu gosto de ler tudo e pronto.

    ResponderExcluir
  13. Muito bom...Tenho certeza que você mudou o mundo de alguma forma!

    ResponderExcluir
  14. tenho 24 e ando me sentindo velha. às vezes isso é bom, às vezes ruim... quando a mudar o mundo...acho que se a gente mudar pra melhor já tá valendo! adoro o seu blog!

    ResponderExcluir
  15. - Sabe aquela sensação estranha que dá na gente de vez em quando?
    - Aham… Que sensação?
    - De não fazer nada da vida, sensação de vazio.
    - Ah, sim. Normal… O que tem ela?
    - Ela?
    - A sensação.
    - Ah, nada. Foi só um comentário. Tava pensando aqui…
    - Ah.
    - Acontece que essa sensação parece me perseguir o tempo todo. Afinal, o que estamos fazendo da vida, aqui, agora, sentados no sofá enquanto assistimos… Qual o nome desse programa mesmo?

    (...)
    http://obraincompleta.wordpress.com/2012/05/06/dialogos-superinteressantes-3/

    ResponderExcluir
  16. "Me contento com as pequenas mudanças que sou capaz de promover". Perfeito, são essas pequenas coisas que são importantes para as realizações na nossa vida. "Quem salva uma vida, salva toda a humanidade" (anel entregue a Schindler).

    Salvar, no caso, são essas pequenas coisas, pequenas risadas, pequenas reflexões, que a arte traz para as pessoas.

    ResponderExcluir
  17. Hoje somos velhos adolescentes. Cada vez mais. Fiz 27 (a idade em que muita gente morreu) em março. Pensie o mesmo.. com 27 minha mãe já tinha a mim, ao meu irmão.. preciso parar o mimimi mesmo, e arrumar um analista logo.

    ResponderExcluir
  18. ei, srta de 27 anos, por que será que você sempre acerta nas palavras, hein?

    ResponderExcluir
  19. Curti demais Bowie e o texto! ;)

    ResponderExcluir
  20. Natália, esse seu texto veio muito a calhar com a historia que vim te contar, tu não pode mudar o mundo, mas anda mudando a minha filha de 3 anos, já te falei aqui - Provavelmente não lembre - que ela sempre acabava vendo alguns pedaços dos seus episódios, já que tem em casa pais que são fãs da série. Nessa nova temporada, ela surtou e depois de ver a reprise do 2° capítulo que passa as quintas de tarde na multishow, ela tem me chamado de Dr.Frida e quer que eu a chame de Natália, se não chamar ela não responde, não fala, não se mexe e fica pedindo para chama-la de Natália, contarei essa historia essa semana no meu blog e depois te mando o link, acho que se identificar com você cai super bem nela, já que é super dramática, quando brigamos com ela, ela chora e diz que vai embora, EMBORA, ela só tem 3 anos, imagine com 16? Então, tu pode até não mudar o mundo, mas anda mudando a vida de uma menina de 3 anos, acho que isso é bom, né? NÉ? Oo

    Sorte! =**

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que fofa!!!! Manda foto dela! adoravelpsicose@gmail.com. Beijoca!

      Excluir
  21. tenho quase 29 e compartilho do mesmo sentimento.
    obrigada pelo teu blog. nunca me identifiquei tanto com um (ou vários) texto(s) como com esses.
    parabéns !

    ResponderExcluir
  22. Isso me lembrou um diálogo com minha mãe nesta semana.

    - Caraca, Leozinho, vou fazer 44. Qua-ren-ta e qua-tro. Tô me aproximando dos 50.
    - Eu sei. Quando te digo que você é velha, não tô brincando.
    - Que horror. O que importa é o espírito jovem!
    - E a data de nascimento no RG?
    - Mas minha mente não envelhece!
    - Ok, mãe. Idade mental: 20.
    - Outro dia mesmo eu tinha 20 anos!
    - E tava grávida de mim.

    ResponderExcluir
  23. Natalia,tenho 17 anos e sinto que não mudei muita coisa desde a infância. É triste pensar que nada é como parecia, não tenho um namorado, um emprego, um grupo de amigos, boas notas, e fico me perguntando: até quando minha vida será tão monótona ? Eu sei, eu sei, só tenho dezessete anos, porém não me sinto como uma adolescente normal, é como se a vida de todos ao meu redor estivesse mudando e a minha sempre na mesma. Talvez nunca me sinta como "gente grande", ainda me sinto como uma criança de 7. Expectativas são decepcionantes...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://labgeek.files.wordpress.com/2010/10/blue_pill_red_pill1-478x346.png

      Excluir
  24. Eu ainda sou muito nova e tô bem longe dos 27 anos, mas eu tenho 100% de certeza absoluta de que quando eu chegar nessa idade, vou ficar pensando assim. Aliás, eu vou surtar, ficar ainda pior, pirando (principalmente prq é a idade que muita gente famosa morreu - nossa, tô ajudando mto msm HIHIHI - , e pretendo já estar famosa antes disso). Na verdade, antes dessa idade eu já vou ficar assim. Não, não que vc seja velha, e sim por três motivos: 1) Eu sou extremamente paranóica. 2) Quase todo mundo se sente assim quando chega perto dos 30. Quem não fica desse jeito por essa idade, fica pelos 40, 50, 60, 70 (tem certas pessoas que demoram pra pensar nisso),... todos chegam em uma idade em que começam a refletir, pensar na vida e em que parecia que foi ontem que era uma criancinha fofa brincando de pega - pega no recreio da escola. Isso acontece, é natural do ser humano. Mas pelo menos vc teve mtas conquistas até agora e continua nesse caminho, pior as pessoas com muito mais idade que você que não fizeram quase nada de valioso e importante na vida. 3)Eu acho que, pelo fato de o ser humano não ter as respostas para tantas perguntas importantes como "De onde viemos?", "Para onde vamos?" (clássico), "Como chegamos aqui?", "Qual é o verdadeiro e real significado da vida?", entre tantas outras, nós paramos de questionar os outros e passamos a questionar a nós mesmo, nessa eterna busca de respostas, em vez de simplesmente viver. Por isso, por mais natural e comum que seja termos esses pensamentos ao chegar nessa idade, devemos evitá-los e manter nosso espírito jovem como o de uma criança. Sei que todos dizem isso, mas é a mais pura verdade. Sei também que, quem sou eu para falar, se sou uma das pessoas que conforme vai ficando mais velha, fica tbm mais paranóica, principalmente com o medo de não ter tempo de fazer tudo que quero (é mta coisa), mas é apenas isso que tenho a dizer (msm não sendo mto pouco) e é o que irei tentar fazer quando chegar aos 27 anos, prq é a melhor coisa que podemos fazer. É tbm o que eu te aconselho a fazer. SIMPLESMENTE VIVA E CORRA PARA ALCANÇAR SEUS OBJETIVOS, E NUNCA ESQUEÇA DE MANTER SEU ESPÍRITO SEMPRE JOVEM E EM EQUILÍBRIO COM A SUA MATURIDADE!!!!!!! :D

    ResponderExcluir
  25. Estou com 25 e te entendo completamente, as vezes nossa idade não acompanha nossa personalidade neh?! Na minha cabeça acho que tenho 21 ainda... rs mas também acho mais divertido assim...

    Quem puder e tiver um tempinho conheça meu blog:
    http://www.blogcinco.com/2012/05/paraiso-para-mim-e.html

    Ah você me inspirou muitoo nesse blog, um dos primeiros que comecei a ler foi o seu. #adorooo
    E que seu sucesso só aumente...

    bjaooo

    ResponderExcluir
  26. Excelente blog e excelente série, mas peço, que por favor, não comece a pecar pelo exagero extremo! Peço isso na mais humilde posição de telespectadora fã do programa!
    Adoro cada episódio das outras temporadas e no como eles nos fazem pensar no que vivemos no cotidiano, caso a série se perca em situações demasiadamente fantasiosas esse quê de correspondência vai se perder aos poucos e a psicose irá virar apenas mais um programa de humor pastelão...
    Me identifico muito com a personagem principal (no caso, uma quase você) e, como qualquer psicofã, fico ansiosa para ver cada episódio e/ou posts novos!
    Mas peço, por favor, não exagere na "mulher dos peitos" ou no "nú com pepinos" pois a série é excelente exatamente por nos remeter ao dia-a-dia e ter um tom bem leve de pequenos exageros que tornam as situações cômicas o suficiente para nos fazer rir da própria desgraça sem perder a conexão com a realidade do cotidiano!
    Espero que eu não vire um "Frankly, I don't give a damn" mas tinha que fazer esse comentário pois curti demais esse blog e o seriado para deixá-lo se perder sem tentar fazer algo pra ajudar!
    Beijos e votos de sucesso sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ainda não assisti aos outros episódios da terceira temporada porque não tenho Multishow e os vejo quando são disponibilizados no YouTube. Graças a uma boa alma youtubiana pude assistir o episódio ao qual a Cynthia se refere e tenho de concordar com ela, sendo ao mesmo tempo solidária na chance de ganhar um Frankly. Mas percebi nas palavras dela muita humildade e espero que vc as receba de bom coração. Afinal torcemos pelo seu sucesso em tempo integral. Bjos!

      Excluir
    2. Só um adendo no comentário da Cynthia...Natália, não mude o humor da série...pegar pesado a gente pega no nosso cotidiano, as pessoas continuam sendo hipócritas e fingindo de santas...mentiraaa!! Todo mundo dentro da cabecinha pega pesado com outras pessoas sim! E vc coloca isso na série maravilhosamente bem! Adooro seu humor ácido!

      Excluir
  27. Sou muito fã do seu seriado, confesso que comecei a assistir por causa do figurino. Sou louca por moda e amo o estilo retrô e os anos 60 que ele tem. <3 Com o tempo passei a admirar você como roteirista e com atriz, adoro mesmo seu seriado e espero tenha muitas e muitas temporadas. Ah estou sempre lendo seu blog, adoro os vídeos que você coloca, adorei relembrar a voz da Lesley Gore. Beijos. =D

    ResponderExcluir
  28. Pergunta indiscreta: que cidade pequena???

    ResponderExcluir
  29. Motivacional no melhor e verdadeiro sentido do termo!!
    Como um chute na bunda que te leva pra frente!!
    Também tenho a sua idade e estou longe de pensar em ter filhos, mas trabalho todos os dias para deixar algo meu no mundo!
    Ontem perdi a oportunidade da minha vida, a qual eu achava ser o ápice do meu espetáculo solo chamado "vida", o meu momento: "Mostrar ao que veio" sabe?
    Mas você me fez ver que minhas atitudes podem não mudar o mundo, mas certamente mudaram a minha vida!
    Supervalorizando esta oportunidade eu acabei por desqualificar tudo que já havia feito até então e que me fizeram ser o que sou hoje! Minhas atitudes não foram em vão e não sou de todo um fracasso por que "quando algo é capaz de mudar o status quo de pelo menos uma pessoa, então já possui algum valor."

    Obrigado minha adorável psicótica!!

    ResponderExcluir
  30. Amando o adoravel psicose desde que ele nem tinha programa na TV.
    Natalia, trabalho no mercado financeiro (cri cri cri) mas amo escrever, não, não ano escrever sobre macroeconomia, mas sim coisas bobas do dia a dia.
    E um dia comecei a colocar pra fora, e um dia vi que meia duzia de gato pingado ria e se divertia.
    Já é uma mudança, uma mudança no meu mundinho.

    Keep Walking !

    http://obsimpac.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  31. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  32. Será que sou só eu que mudo todo dia?! deve ser fruto das múltiplas personalidades( ou de múltiplos sentimentos) ou de múltiplos problemas ou ate mesmo de múltiplas coisas que eu não entendo.

    ResponderExcluir
  33. Natália, estou vivendo exatamente isso que vc descreveu acima, uma mudança drástica de vida!! E em toda mudança há o medo, o medo do que eu tenho de seguro pra um duvidoso. Mas a minha capacidade de sempre crescer não deixar eu ficar parada, eu tenho que crescer! Meu...vc falou tudo, as suas palavras vieram na hora certa, vc está virando minha Drª Frida!! Te adoooro de montão mesmo!! Não perco um episódio...e todos os dias, sem pular nenhum, vejo se tem algo novo por aqui! Uma super semana pra vc!! Bjuuuuuu!

    ResponderExcluir
  34. percebeu que o que você faz influência milhares de outras pessoas? considere esses 27 anos muito bem aproveitados até agora, Natalia.
    Seu programa é incrível, seu blog também. acompanho sempre que posso *-*
    um beijo.

    ResponderExcluir
  35. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  36. Mudar a própria vida já é uma enorme responsabilidade...
    Mudar de analista então...
    Boa sorte com a escolha do analista, se você mudar..rs...

    Parabéns pelo texto, fantástico!

    ResponderExcluir
  37. Oi Natália!

    Amei o post! Sempre gosto do que leio e vejo de você. :] Sou psicóloga, também tenho vinte e sete anos, e me acabo de rir com "Adorável Psicose"! Obs: não sou psicanalista rsrs.

    Com sua leveza e humor você é muito mais profunda e transformadora do que uma pessoa capaz de soltar uma pérola de puro quadradismo e pretensão, como essa que você citou... Enfim...

    Um abraço pra você!

    ResponderExcluir
  38. haha outro dia uma amiga me mandou uma picture no facebook com essa frase aí do mimimi... e eu citei no meu blog tbm... muito legal a sua reflexão de mudança, mudar o mundo a começar pela própria vida... tenho 28, faço 29 esse ano e ano que vem, vualá, os temidos 30!! tbm to longe de ser ou ter o que sempre quis, mas vamos trabalhando, não é? abração, Natália! :)

    ResponderExcluir
  39. Nossa!!! depois de meses acompanhando a série e lendo TODO seu blog. Declaro que sou sua fã!!! Psicose na veia :)

    Sucesso

    ResponderExcluir
  40. Oi oi.. venho por meio deste divulgar meu blog. Isso mesmo, divulgar meu blog. Já que este já está bombando - ah Natália, você já é famosa, não reclama.
    http://paixaodeanjo.blogspot.com.br/ << O meu blog romântico... Ah, nem todo mundo tem uma mente brilhante para escrever humoristicamente né. Quem não consegue essa proeza finge escrevendo romances! (: Visitem, queridos! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  41. oi, a uma semana eu descobri que sou psicótica hoje é a primeira vez que entro nesse blog mais sempre fui fã da Natalia e gostaria de dizer tenho 13 anos e sou apaixonada pela série, já vi todos os episódios e vou ver o segundo episodia da terceira temporada no multi show ás 22:00

    obrigada por me escultarem beijos

    ResponderExcluir
  42. Apaixonada pela série, porém a assisto pela net! Pergunto: quando serão postados os episódios da terceira temporada aqui??? Ansiosíssima!!!! Adoráveis beijos!!!

    ResponderExcluir
  43. Cade o cara novo?
    Mimimi

    ResponderExcluir
  44. Olá Natália!
    De todas as vezes que passo por aqui em busca de novos episódios de "Adorável Psicose" ou para me deliciar com seus textos, confesso que esta foi a primeira vez que fiquei emocionado ao ler um deles.
    Como já diz o título - changes - é muito bom observar seu crescimento e a mudança de sua vida, sua história com certeza além de nos divertir, nos motiva a continuar acreditando em nossos sonhos e mudar o mundo um pedacinho de cada vez. E quanto aos vinte e sete anos. Bem, tenho 22, e espero ler seus textos pelo menos até os 100(rs), quanto mais velhos ficamos, melhor nos tornamos.
    Um abraço e sucesso sempre!

    ResponderExcluir
  45. Olá Natália. Tava sentindo falta de seus posts.
    Teu texto me lembrou uma declaração do Robin Williams numa entrevista, em que dizia que até acreditava em reencarnação, na volta, e todo mais. Mas que desacreditava quando só encontrava gente que era a reencarnação de Cleópatra, César, Napoleão, etc. Ninguém tinha sido um John Smith, que nasceu, cresceu, trabalhou, e morreu, como quase todo mundo.
    Hoje em dia, tomam-nos a ideia do "apenas viva". Temos sempre que ser especiais, perfeitos, moldar-nos em paradigmas inatingíveis, para chegarmos a ser alguém.
    Ninguém pensa mais em viver, apenas. Crescer. Ser feliz, sozinho ou acompanhado. Trabalhar, no que se gosta, ou, se não der, no que pague as contas.
    Já passei por essa fase dos 27 anos. E cheio de mimimis, achando que eu tava perdendo tempo. Até aprender que tudo tem seu tempo, mas que quase sempre é mais lento que o seu próprio tempo. Isso cria uma legião de infelizes. Não percebem que grandes mudanças em suas vidas são grandes mudanças pro mundo. Geram felicidade. E desenrola um novelo que acaba na evolução.
    Enfim, mandou bem na idéia, e compartilho dela. Parabéns pelo ótimo texto.

    ResponderExcluir
  46. Oi Natália. Sempre tive um pouco de vergonha de comentar no seu blog, uma porque você é tão inteligente, escreve tão bem e vai achar 200 erros de português no meu comentário e pode ser que você me considere uma menina tosca. hahaha.. Brincadeira eu não sou tosca... Eu não sou, né?
    Bom, seu blog e sua série têm feito os meus dias bem melhores. Eu sempre achei que eu era a única menina no universo de 1m77, complexada, neurótica e sozinha. Tenho 21 anos e nunca namorei. É... 21 anos! E todo fim de ano, especificamente na virada eu penso: não passa desse ano. Meus "casos" não duram mais de um mês e são dignos de piada. E a minha mãe e meus amigos (sim, pelo menos eu tenho muitos amigos, tipo assim muitos), dizem: A culpa não é sua...sério. Ele é imaturo, ele não é pra você, ele é louco, ele é chato, ele é burro, etc. Minha grande dúvida é: Será que eu tenho uma espécie de imã com esse tipo de cara? Por que afinal, minhas 8 melhores amigas namoram.
    Tá, eu sei.. Coloco expectativa em tudo, tenho devaneios e sou ansiosa. Talvez seja isso e não um imã. Bom, quando eu chegar a uma conclusão mais concreta do que eu estou fazendo de errado, ou então indo a lugares errados te aviso, ok?
    Um beijo...Parabéns pela série!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Margarida,
      Voce deve ser uma pessoa legal, do bem, social e comunicativa, mas...
      Já lhe ocorreu que seus amigos queiram melhorar seu humor ao invés de colocar seu comportamento numa análise criteriosa, ou seja, chata, para saber se realmente tem alguma coisa errada? Porque se algo não funciona em relacionamentos humanos, parte-se do princípio que cada pessoa envolvida deve ter alguma responsabilidade, por ações e omissões. Algum papel no teatro social ( O mundo inteiro é um palco, e todos os homens e todas as mulheres são apenas atores... William Shakespeare) mesmo que seja o erro de escolher mal ou de não conseguir fugir das roubadas...

      Excluir
  47. Ah... mais uma coisa. Eu também amo coisas "retrô", roupas e músicas. Desde sempre. Com 14 anos enquanto as minhas amigas dançavam o bonde do tigrão, eu gostava de The Beach Boys, The Beatles, Bee Gees, etc. Temos muito em comum e juntas poderemos achar a solução do mistério. haha

    ResponderExcluir
  48. Eu te adoroo, e seu programa também, além disso, a reedição do livro de Machado de Assis que vc reescreveu é muito legal! ;) eu te adoroooo

    ResponderExcluir
  49. Saudade da psicótica
    Driver number one
    Bjs

    ResponderExcluir
  50. Oi Natália fiz 27 em janeiro e me sinto exatamente assim, uma pos- adolescente!!!

    ResponderExcluir
  51. Também fiz 27, com carinha de 22 que atrai os menininhos de 23, e também tenho a mesma sensação de que ainda estou na pós-adolescência.

    Agora toda vez que entro na semana fatídica fico pensando: "lá se vai mais um óvulo..."

    ResponderExcluir
  52. Se cada pessoa mudar o mundo DELA ( e com alguma sorte,a dos poucos que a rodeiam)então o mundo todo muda. Ou ao menos grande parte dele. Ainda mais quando isso acontece como escreveste, sem ser forçado. Quanto aos 30.. to beirando os 30, nao to estudando nem trabalhando ( por razões que nao sao vadiagem- que alias cansa tb- e que nao cabem aqui), mas ainda me sinto um garoto, só vou ser adulto la pelos 46. É meio triste ver uma vida - no caso, a minha- passar rapido e em branco mas sabe que ainda encontro uma razão pra ficar feliz? Quando eu olho pras fotos antigas e depois pras atuais, eu digo que menos piorei muito, a 3x4 da carteira de identidade que o diga.

    ResponderExcluir
  53. Mestre Bowie deveria ser o próximo PAPA!

    JOPZ

    ResponderExcluir
  54. Acho que acontece com todo mundo. Eu tenho 30 mas nao sou nem de longe a pessoa que, quando era adolescente, achei que seria. Nao cheguei aonde queria, muito menos aonde meu instinto dos 29 me cobra (pq agora é sò uma questao numérica, nos 28-29 vai piorar). Mas eu tento caminhar devagar, com planos a curto e médio prazo. Sabe quando vc tem que subir uma escada muuuuito grande, e parece que fica mais facil se vc olhar para cada degrau do que se ficar o tempo todo olhando para o fim que nunca chega?
    Fora isso, bem legal o lance de deixar uma marca no mundo, ainda que seja o nosso mundo individual (dos nossos circulos, das pessoas mais proximas).
    Que bom que escreveu! nao abandona o blog nao. Beijos.

    ResponderExcluir
  55. Tenho 33 meu namorado 21.
    Tbm me considero pós-adolescente até hj.
    Mas tiro a maquiagem antes de dormir.

    ^^

    ResponderExcluir
  56. Estava a eu sem nada pra fazer, pensando numa decisão que teria que tomar, quando entro no blog pra ver se tinha algo novo. E pra minha surpresa, tinha um texto tudo a ver com que eu estou passando/penso. E me ajudou pensa na minha decisão ~futura decisão~.

    ResponderExcluir
  57. Tô publicando como anônimo por pura preguiça de me logar em alguma coisa... kkk... e só prá dizer que essa história de deixar uma marca no mundo ou mudá-lo é muita pretensão... acho que começando por ser uma pessoa melhora e que com isso, consequentemente fará algo de útil é uma baita ajuda prá humanidade... adorei seu texto e 'encaixar' Changes então... 10! Bjs.

    ResponderExcluir
  58. Amada!!!

    Libera seu blog para assinarmos....


    Amo seu trabalho!!

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  59. como não me vê nesse texto.. tirando algumas coisinhas, claro.. Natália, ontem eu tinha 27, hoje,28! realmente "Os trinta" chega a doer! Fato! e as mudanças então? e os medinhos... mas, o mais importante é que a gente se adapta! E as mudanças inevitáveis! Velhas? nunca! Experientes? talvez... Moro com meu namorado, ele tem 24 aninhos, quando a gente começou ele tinha 16 ... imagina...hoje a gente tem 07 anos juntos, mes que vem faz um ano que a gente ta morando juntos.. deu certo, dá certo! e Graças as ch ch ch changes... mudamos por amor.. livres de preconceitos e mimimis! amo seu trabalho! bj

    ResponderExcluir
  60. 27?? Páre de mimimi....eu tenho 35!!!!!! AHhhhhhhhhh isso me deixa psicótica!

    ResponderExcluir
  61. Na semana retrasada enquanto estava no trem em Sampa
    escutei uma menina tipo essas que a gente sonha em ser, linda , loira, magra e estilosa falando
    a mesma coisa que você.; Vou fazer o concurso tal, quem sabe esse não é o jeito que vou mudar o
    mundo, a amiga até tentou desiludi-la : - mas "Y" você já mudou a vida da sua mãe, sua família,
    ela retrucou : -"W" , isso não é mudar o mundo, eu quero mais.
    Bem meninas, do Rio e de Sampa, sinto, mas vocês não vão mudar o mundo.
    Vão viver igual seus pais, trabalhando pra alguma grande empresa( que pode até ter financiado
    a ditadura os velhos tempos de república) algumas de nós vão ser ricas ( tomara), outras vão viver
    com suas famílias e achando que mudaram o mundo com mais um individuo pra cosumir e produzir.
    Temos casos de ativistas que colocaram fogo no corpo em pról da floresta, e adivinhem ...
    Não mudaram o mundo. Não vamos mudar o mundo, é o mundo que muda a gente.
    Ps. Adoro sua serie, em especial a vóz do cara dos Tufos e dos mamilos gigantes ... Brincando, apesar da vóz deles me causarem cólicas de tanto rir; adoro todos os personagens ! Parabéns por ser tão jovem e bem sucessedida na cerreira.

    ResponderExcluir
  62. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. esse bloguiinho é da minha filha rsrrsr foi sem querer

      Excluir
  63. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  64. Oi Natalia costuo rir muito com 0s episódios, são ótimos, e, tb, costumo indicar seus post para as amigas de várias idades, na intenção de mostrar o fato de que nós não temos que nos levar muito a sério e que tudo tem o sentido óbvio de não ter muito sentido - e isso chega a ser bom. Imagina que aos seus 27 tenho exatos 10 anos a mais, a mesma idade da minha filha ( q tb adora assistir sua série)e posso te dizer que com esses 10 a mais, entendi que o sentido de mudar está dentro de cada um - é por aí que inicia a mudança do mundo - a partir do meu modo de olhar para ele, de entender que a impermanencia é algo constante e que, por isso, não há exatos motivos para procurar chifre em cabeça de cavalo. Somos mulheres, seres em eterna transformação e isso é o entendimento do mundo e de como lidar com ele, e a partir de como agirmos tranforma-lo, mudando a nós mesmos ( enrolado? é assim mesmo.... psicose total)
    Talvez, diante de relatos de experiencias e sentimentos de antiguidade ( fato que um dia ou outro acontece com todos nós que vamos nos tornando veteranos na vida) nos vejavos ao 77 anos como pessoas ainda com muito a aprender, e ensinar - não é bonito isso? abraços!!

    ResponderExcluir
  65. Nat,
    Nem tinha intenção de comentar nada hoje, vim aqui só porque acabei de ver sua entrevista no Jô e vim ver o primeiro post, o "vai, vai", hahaha! Mas é irresistível, você sempre diz tudo e mais um pouco! E sem a menor pretensão de mudar o mundo, rs.

    Como se não bastasse o fato de eu também ser Natalia e psicótica, completei 27 anos dia 20.05, logo, somos quase gêmeas!

    Olha, eu posso afirmar que a série está tornando meu mundo mais alegre, e o de algumas amigas também, rsrs. Acabei de mandar o link do "Teste de QI" prá uma que adorou, e mandei a "Síndrome do Mestre dos Magos" prá outras pq nós éramos vizinhas do Léo, queb foi o maldito "Cláudio Henrique" no episódio, rsrs... Não tem nenhuma que não goste.

    Bem, é clichê mencionar isso, mas antes de mudar o mundo de fato devemos começar por nós mesmos e um bom começo pode ser trocar de Analista! E "dizer a que viemos".

    Beijos e parabéns, amei o episódio com o Mazzeo de ontem, e só hoje conheci a Nikita através do youtube, adorei também! "Sou gótica prá ser aceita pela sociedade". =D

    ResponderExcluir
  66. Ah, e quer dizer que você recortava etiquetas mesmo como assistente de produção? E, parafraseando o físico quântico, "você gostava do seu trabalho"?

    ResponderExcluir
  67. Ai, rolou toda uma identificação aqui. 28 anos, quase 29, quase 30, deus do céu. E ainda sou tão filha, tão confusa, tão... aff. No meu trabalho eu acredito que quando mudo a vida de alguém, mudei o mundo de alguém. Parece bobo, e é vai, mas saber que ajudei alguém faz toda a diferença. Talvez não fique famosa, ou incrivelmente rica, mas pra alguém eu fiz uma baita diferença.
    É nisso que eu acredito, e no que trabalho :)

    ResponderExcluir
  68. “Estou chegando lá.” Mas e se Lá não me quiser, e se eu não quiser Lá. E se não tiver ninguém Lá, ou quem tiver não merece lá estar. E se Lá não me merecer, e se eu não merecer Lá. E se depois de chegar lá Lá seja aqui, ou então outro lugar, ou deixe de existir Lá. E se Lá for uma mentira, ou pior uma verdade. E se Lá não houver duvidas, ou as duvidas que há Lá lá eu não ouço. E se não existir saídas em Lá, por onde fugirei e por onde entrarei? E se não existir dor em Lá, como saberei que estou vivo, como saberei o que é o amor, o amor. E se Lá não tiver ninguém que eu queira comer, ou não existir alguém que queira me comer. E se Lá for igual a aqui, isso torna Aqui Lá? E se... bom deixa pra Lá.

    ResponderExcluir
  69. Olá Natália, estou mais uma vez aqui participando do seu blog, li seu texto e de novo, parecia que tava lendo a mim mesma através das suas palavras, vou fazer 27 de hj a um mês, e realmente quando lembro dos 17, (parece q foi ontem), vejo q estou muito longe do q imaginava p mim nesses 10 anos, mas também vejo que conquistei coisas que nem de longe passavam pela minha cabeça naquela época, mas realmente o q mais me assusta é q com 17 achava que quando aproximasse os 30 eu ja seria uma pessoa totalmente bem resolvida, já estaria casada, com filhos em um emprego estável e super madura, mas o que vejo realmente, é uma "pós-adolescente" que ainda tem uns medos bobos e que ainda acredita em fantasias, por isso to tentando não fazer tanta expectativa com a mudança do "2" pelo "3" do bolo na coluna das dezenas, deixa ele vir, que venha sem cobrança de maturidade, pois essa vem, de um jeito ou de outro, ela vem junto com as rugas no olho, mesmo que a gente não perceba, iremos mudar alguns conceitos, opiniões, e pesar melhor escolhas, baseados nessa tão temida maturidade, então ja que é inevitável, vamos tentar encarar isso como natural, inerente e próprio da vida, sem criar expectativas, apenas deixando acontecer e vê no q dá!!! Um super bj p vc, gosto muito dos seus textos e do programa no multishow.

    ResponderExcluir
  70. E quem tem 21 e se identifica muito com o que uma pessoa de 27 diz?
    Será que estou muito velha?

    ResponderExcluir
  71. Natália, a sua percepção do mundo contada através do seu blog e da sua série são praticamente uma análise pra mim. Tenho a mesma idade que você, e praticamente as mesmas crises - sim, porque elas são muitas. A criança com cabelo desajeitado, a adolescente deslocada, a adulta complexada. Já percebi que rir é a melhor forma de lidar com tudo isso, e nesse ponto você tem me ajudado muito! Obrigada!

    ResponderExcluir
  72. Estou prestes a fazer 20 anos e, por mais incrível que isso pareça, me identifiquei com o texto. Já me surpreendo refletindo sobre as mesmas coisas e isso me faz pensar sobre o quanto o tempo passa rápido. Outro dia estava penteando os cabelos de minha bonecas! Hahaha. Ou talvez eu esteja ocupada demais tentando 'ser alguém na vida' e não note o tempo passar.

    Parabéns pelo texto!


    { insolitosdevaneios.blogspot.com.br }

    ResponderExcluir
  73. Natalia, eu simplesmente amo seus textos e estou morrendo de saudades porque há um mês me mudei de cidade e ainda não tenho casa, portanto estou sem tv a cabo pra poder assistir ao seu programa! Você é extremamente talentosa e merece todo esse sucesso! Parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  74. Acreditar, essa é a palavra!

    Acreditar, lutar, fazer acontecer e saber segurar as pontas quando tudo da errado e principalmente saber aproveitar quando está dando "tudo" certo.

    Mas nada disso acontece se você não acreditar que vai conseguir o que quer.

    ResponderExcluir
  75. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  76. Tenho muitos amigos e conhecidos que nem chegaram perto dos 27 ainda, mas vivem de fazer mimimi. Tanto na vida real quanto nos post's do Facebook.Eu mesma já fui um desses há muito tempo atrás, até perceber que reclamar não ajuda e que as pessoas estão se lixando pros nossos problemas, pq cada um já tem sua parcela de dor pra carregar. O que eu fiz? Mudei. Me proibi de reclamar e lamentar, me permito chorar as vezes, mas nunca nos ouvidos dos outros. Tenho pavor dessas pessoas que vivem falando mal do emprego, da faculdade, dos 'amigos', do mundo, da vida! Gente que não respondeu ao "Bom Dia!" alheio pq um "o que é que tem de bom?" não permite. A vida não é fácil, sabemos, até pq se fosse fácil se chamaria miojo e acabava em 3 minutos. Mas se trocasse o tempo perdido em reclamações de post auto-curtidos no Facebook por momentos íntimos de reflexão e inspiração, talvez vissem que a resposta pra tudo, ou pelo menos pra maioria das coisas, está bem diante dos nosso olhos. Mudar quando é preciso porque ninguém muda por nós. Enfim, menos mimimi e mais atitude, a gente nasce 'gente' e não samambaia. E olhe que até a planta tem vontade de mudar, nem que seja de vaso.

    Parabéns, Natália! Você é sucesso em tudo que faz, garota! Sou muito fã!

    ResponderExcluir
  77. Gooooooooooostei;
    Tenho 19 anos e penso desde os 17 como eu queria que minha vida fosse.
    Minha infância não me proporcionou muitas fantasias,algumas pessoas diziam que eu era séria e eu pensava que isso era bom. (na verdade não me lembro o que eu pensava, digo pela pessoa que sou hj)
    Na verdade da verdade eu nao sabia o que significava ser sério. Para mim era ser fechada, centrada, não sorrir, não chorar; mas hj eu sei que ser sério não tem nada haver com isso....
    E eu queria ter tido fantasias, por que hj eu sou muito indecisa, na mesma hora que eu quero uma coisa, um ano depois eu não quero mais, tenho dificuldade com autoridades.. penso que isso faz parte, mais é um conflito ridículo.
    Então, agora eu resolvi, que não importa o que aconteça, eu quero saber inteiramente quem eu sou, tudo, tudo, tudo... Por que eu quero mudar o que eu não gosto em mim, sendo assim, penso que posso colaborar com quem convive comigo. (Um exemplo de mudança; imagina quem convive comigo quando estou agressiva ao extremo?!! Sofre.)

    Nem sei por que falei isso, mas parabéns pelo blog.
    beijos.

    ResponderExcluir
  78. Adorei!!!!!!! Você é demais :)

    ResponderExcluir
  79. Li uma matéria sua na revista Claudia (2011) assisto Adorável Psicose e me identifico muito com as psicoses. Parabéns pelo seu trabalho, continue nisso, humor de qualidade e sem apelação pra baixaria. Abraço!!!

    ResponderExcluir
  80. ixi, me esqueci... também to na crise dos 27... faço 27 final do ano... mas nunca penso em "27", acabo pensando "quase 30"... normal... minha psicose...

    ResponderExcluir
  81. É tão gostoso ver que nossa vida está seguindo como desejavamos....achei maravilhoso seu desabafo (texto), inclusive qdo fala sobre a importancia nào de mudar o mudo, mas de como mudar, do que vamos deixar...adoro a série parabens!

    ResponderExcluir
  82. HA! Hoje meus amigos do facebook descobriram você Natalia!!! E eles expressaram opinião similar a minha, ou seja, Te Adoraram.
    Bem, afetação à parte, se não me engano já houve um post que falava que seu nome NÃO é acentuado. Estou certo? Então qual o motivo de as pessoas ainda acentuarem ele?
    Acho que esse povo não leu o Blog todo.
    Sobre o post, sou solidário com seu sentimento, tenho 25 anos e as vezes acho que alguém roubou meus últimos 7 anos, desde os 18 anos a vida voou. Mas é assim mesmo. Continuo me sentindo com 17, só as vezes, quando converso com algum carinha(boy magia) lindo de viver que vem me dizer que tem 20 anos, isso quando não tem 19, 18... enfim, o único pensamento que me vem a cabeça é: como estou velha!!!

    ResponderExcluir
  83. Natália, ou Nathália (que preguiça subir ou descer a barra de rolagem para acertar o seu nome), não sei se você ainda entra no blog - pela data da última postagem, presumo que não - mas eu preciso comentar, mesmo assim.
    Hoje eu tenho 20 anos, comecei a ler o seu blog aos 17 e me inspirei muito em você, tanto que quero ser redatora. Eu queria ter vários encontros com vários caras, queria encher a cara nos bares e baladas da cidade pra ter histórias pra contar, tomar café amargo num domingo de ressaca e sofrer por um cara que tinha uma banda, ficava com muitas mulheres, mas tinha uma química incrível comigo e, por mais que não conseguíssemos manter uma relação monogâmica, estávamos sempre "juntos". Não conseguíamos ficar um sem o outro, mas também não conseguíamos ficar SÓ um com o outro. E Deus, como ele ficava sexy de camiseta preta, tocando baixo e com aquele cigarro na boca, seu cavanhaque esbanjando o charme sem fim do maldito filho da mãe.
    Não Natália (ou com TH), esse cara nunca existiu, era uma idealização de uma adolescente de 17 anos, que na verdade sempre odiou caras que fumam, e não curte nenhum tipo de barba. Mas essa era eu inspirada em você... Sei que pode ter nada a ver, porém depois de conhecer o seu trabalho eu comecei a me ver assim, a querer ser assim.
    Você postou esse texto no dia do meu aniversário de 18 anos, uma fase de transição mesmo, não só pela ideologia dos tão sonhados "18 anos", mas foi quanto tudo mudou. Eu saí do meu primeiro trabalho, arranjei um namorado (que não era nada parecido com o cara super desejado da banda, ele inclusive nem tinha banda, barba ou cavanhaque... apenas um baixo e camiseta preta) e comecei a pensar mais seriamente sobre faculdade.
    Sabe, Natália (me desculpe, mas desisto do TH), quando escrevo perco o fio da meada e já nem sei o que queria expressar. Meus textos na escola nunca tinham uma conclusão bem definida, era sempre algo mais ou menos, se algum professor entendesse a mensagem que eu queria passar eu só poderia rir e concordar, mesmo no fundo sabendo que ele estava errado, pois na realidade minha mensagem queria dizer uma coisa, eu disse outra, que virou nada.
    Como esse comentário irrelevante no qual só quero dizer que eu li esse texto no dia do meu aniversário de 18 anos e desejei muito que, nos meus 27 eu esteja, assim como você, próxima de me tornar quem tanto sonho. Com 20 anos ainda me sinto uma menina perdida, preciso voltar pra faculdade e ainda sonho em ser redatora. A vaga na empresa de comunicação em que sonho trabalhar está difícil de conseguir (7 processos reprovados), mas então hoje, eu vim aqui dar uma olhada se houve alguma atualização e reli esse texto... Me trouxe uma certa esperança, sabe?
    Tá vendo como me enrolo e as coisas que digo se tornam tortas e sem sentido? Mas no fim eu só quero dizer isso mesmo... Obrigada.

    ResponderExcluir

 
Designed by Thiago Gripp
Developed by Márcia Quintella
Photo by Biju Caldeira