natalia

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Para o meu passar


Há mais ou menos um ano, eu voltei a fazer análise. Dentre os vários - VÁRIOS - motivos que me levaram a deixar grande parte do meu contracheque na mão de um homem que passa quarenta minutos por semana me ouvindo reclamar, está um sonho. Não do tipo Martin Luther King. Era só um sonho recorrente que eu costumava ter.
Um belo dia eu abria uma das gavetas do armário e encontrava um gato de estimação que eu não via há anos. Era como se eu o tivesse esquecido ali, sufocado. A sensação era horrível. O gato, ainda filhote, não tinha crescido quase nada, me olhava com ódio. E fazia aquele som detestável que os gatos fazem quando estão prestes a atacar.
Como eu pude esquecer meu gato na gaveta?, eu pensava durante o sonho, que parecia muito real.
Mas foi só durante uma das sessões que a ficha caiu. É claro que no fundo eu já sabia. Meus sonhos são sempre ridiculamente simbólicos. "O gato é você, Natalia", disse o psicanalista. E eu tive um pouco de vontade de chorar. Mas em vez disso, respondi "ah, brigada, são seus olhos".
Então eu me pus numa gaveta?, pensei, cerca de quarenta minutos depois do insight. Mas que parte de mim?, argumentei comigo mesma. Afinal, eu tenho quase 1,80m, não caberia toda lá.
Foi aí que eu me lembrei de uma história que minha mãe sempre conta. Sabe aquela cantiga, "se essa rua fosse minha"? Quando eu eu tinha uns três anos, eu cantava o final errado. Eu esquecia o amor.

Se essa rua, se essa rua fosse minha
Eu mandava, eu mandava ladrilhar
Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhante
Para o meu, para o meu passar.

Eu achava essa história absurda, até que assisti um vídeo de quando eu tinha uns três anos. Cantando essa música. Sem o amor.
Num primeiro momento, isso pode soar meio triste. Mas se você pensar bem, tem lá sua dignidade. Quer dizer, você procura uma rua, faz ela ser sua, manda ladrilhar, e aí os pedreiros não aparecem, então você tem que ladrilhar tudo sozinha, com pedrinhas de brilhante ainda por cima, e tudo isso pra quê? Pro seu amor passar?
Não, amor. Vai procurar a sua própria rua. A gente se vê no cruzamento.
Eu sei o que eu quero desde que eu tinha três anos e cantava errado. Eu nunca sonhei com o amor. Só com o meu passar. Numa rua com pedrinhas de brilhante.
E embora continue fazendo análise, nunca mais tive aquele sonho com o gato na gaveta.

55 comentários:

  1. PS 2: eu sei q vc vai odiar meu blog, porque ele é meloso, dirigido a uma pessoa que já morreu e mimimimim, e n faz seu estilo, mas eu queria q vc lesse pelo menos 1 texto meu... isso porque vc é uma pessoa que me inspira MUITO! E, principalmente, porque eu acho que você escreve ridiculamente bem e eu acho que eu escrevo ridiculamente mal e queria umas diquénhas.

    ResponderExcluir
  2. "ah, brigada, são seus olhos"
    Nossa, muito bom!
    Ótima análise da canção "errada": "Não, amor. Vai procurar a sua própria rua. A gente se vê no cruzamento."
    Hahahahha, ótimo isso.
    Uma mulher de 1,80m muito bem decidida sem necessidade de se submeter às armadilhas do "amor", ou algo assim.

    ResponderExcluir
  3. Não vou elogiar suas habilidades na escrito. Isso é óbvio demais. Quero elogiar sua capacidade de transpor situações de ''quase-tragédia'', em ''quase-contos'', que, realmente, fazem deste blog, o meu favorito.

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho essa coisa com sonhos também, mas não faço análise e nunca fiz, por mais que minha mãe insista que eu deva fazer, então nunca consegui desvendar esses sonhos que se repetem e tudo mais. Epifanias são sempre muito bem vindas, não é mesmo? Espero que consiga desvendar mais mistérios de sua vida!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Que lindo! Deu até uma invejinha, acho que eu preferia ter "comido" ou esquecido o amor.
    Acho que se fosse pra usar uma metáfora com a música a minha seria do tipo "para o meu amor morar", eta, vontade de possuir, e parece só vontade (isto é, da minha parte falta ação)!

    Beijos, Natalia! Boa análise! ;D
    Ana

    ResponderExcluir
  6. Acho que cantei essa música algumas vezes, quando criança, e como um tolo iludido eu sempre inclui o amor. E continuo incluindo este até ontem, até hoje, até cinco minutos atrás em que o filho da mãe veio me abraçar. E pra que?? Pra que me abraçar, me diz. Enfim eu vou sair dessa um dia, ou não também, mais caso eu me salve, jamais alguém ira me ferir assim novamente. Não mesmo. :( Natália Parabéns vc é um sucessoooo.

    ResponderExcluir
  7. Nossa Natália, que lindo! Não é triste não! Como os outros disseram aí em cima, eu também queria começar a ladrilhar ruas só pra mim. Porque nessa história de "pro meu amor passar"... o mais triste é que eles passam mesmo, e dobram a esquina e vão passar por outras ruas...enquanto a gente fica ali, olhando aquele "elefante branco" que é rua que ladrilhamos, abandonada e que também não nos pertence! Ou eu paro de ladrilhar ruas "pro meu amor passar" ou tenho que começar a tomar posse delas logo que eles se vão e dar outra utlidade (rua pra eu dançar, rua pra eu cantar, malhar)...sei lá, essas ruas tem que ter uma funçao social (só minha!) hahahha!

    Teus textos são uma terapia à parte! Adoro!

    ResponderExcluir
  8. Sabe aqueles filmes de terror que sempre tem uma menininha assustadora cantando uma música medonha em um corredor mal-iluminado?
    Nathália, já pensou em escrever contos de horror?

    http://oblogdareclamacao.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. a gente se vê no cruzamento hauauauha

    ResponderExcluir
  10. Às vezes sinto inveja de quem já sabe o que quer desde pequena. Especialmente quando quer a coisa certa... Quando eu era pequena cantava “eu mandava eu mandava ela BRILHAR”. Eu sempre quis o amor. Continuo querendo. Já ladrilhei e poli avenidas inteiras pra ele, porque na minha música a rua tinha que brilhar mais que qualquer outra! Agora estou entendendo que cada um tem que ladrilhar sua rua e fazer uns adornos no cruzamento, se realmente valer a pena.
    Excelente texto, Natalia!

    (será que ter só 1,60 me faz “pequena e sabendo o que eu quero”?)

    ResponderExcluir
  11. De todas as cantigas de roda essa era minha preferida. Sonhava com quem ia ladrilhar a rua pra mim, que iria fazer tudo por mim. Anos mais tarde percebi é perca de tempo esperar o outro.

    ResponderExcluir
  12. Nathália, acho que a primeira versão dessa música é a cara da psicótica. http://www.youtube.com/watch?v=wBKpudVVjCk&feature=player_embedded

    "Nesta rua, nesta rua mora um anjo.
    Que se chama, que seja solidão.
    Nesta rua, nesta rua mora um anjo
    Que roubou, que roubou meu coração."
    rsrs

    ResponderExcluir
  13. Natalia,

    Tenho certeza de que tem uma rua ladrilhada te esperando. A gente não ladrilha para o outro passar, ladrilha pra gente e isso faz com que os outros queiram passar...alguns, ficam para sempre. :)
    Me assusta ver como as pessoas hoje não acreditam mais no amor. Todo mundo na defensiva. Eu também já fui assim, por medo de me machucar de novo.

    Torço imensamente para que o amor te encontre.
    Sou sua fã.

    ResponderExcluir
  14. Eu acho que vc tem que ver porque nunca sonhou com o amor. Então o que esqueceu na gaveta,se é você, qual parte de você? Seria o amor que você esqueceu lá? Será que um dia vai se dar conta disso e ficar com raiva assim como no sonho de ter esquecido que todods podem amar,inclusive você? Suas imagens sobre amor são todas fracassadas? Se sim, por que? Bem, esses questionamentos que me passaram pela cabeça! Inté! Lee

    ResponderExcluir
  15. muito bom esse trecho aqui:

    "[...] e tudo isso pra quê? Pro seu amor passar?
    Não, amor. Vai procurar a sua própria rua. A gente se vê no cruzamento."

    ResponderExcluir
  16. Uma vez eu tive um sonho ridículo de que eu estava cheia de feridas debaixo da minha pele e meu (ex) namorado não queria me ajudar a cuidar delas.
    Descobri que as feridas eram as minhas neuroses e dei um pé no dito cujo. Nunca mais sonhei com isso ;)

    ResponderExcluir
  17. Nos últimos dias tive um feedback tão grande em relação uma pessoa que amei por 9 anos.. Hoje eu descobrir tanto sobre essa pessoa e sobre mim mesma que não tem nada haver de amor, hoje tô tão bem comigo mesma que também não quero saber de amor, e tô igual a você indo para o cinema sozinha aos domingos, mas não me sinto mal por isso, muito pelo contrario, feliz! Curada! Adoro tudo aqui.. E vou correr para ver o 4° capítulo que já iria te cobrar.. Hihi!

    ResponderExcluir
  18. Por que todas as mulheres querem esquecer o tal do amor? Queria saber o que é amor para as mulheres...

    ResponderExcluir
  19. Também tenho sonhos recorrentes:

    http://cachorrocansado.blogspot.com/2009/10/welcome-to-my-nightmare.html

    http://cachorrocansado.blogspot.com/2009/06/sempre-sonho-que-estou-pelado.html

    Abs

    ResponderExcluir
  20. nossa...

    vou falar o que depois disso? É incrível como alguns textos seus, mexem muito comigo, e me faz pensar por longas horas...

    bom, deixa eu ir, e cumprir essas longas horas, pensando...

    ResponderExcluir
  21. Adorei o texto... revivi vários momentos de análise... dos dois lados!

    ResponderExcluir
  22. Olá, sou nova por aqui.
    Adorei seu blog, mas ainda não li tudo.
    Poxa! Você escreve tão bem q podia escrever um livro.. Seria interessante!

    A forma como vc mexe com as palavras é incrível. Vc consegue nos transportar para dentro do texto.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Entendo você completamente, querida.

    Quando era pequena tinha convicção que iria me casar com o Ayrton Senna, ele era meu amor que iria passar na minha rua ladrilhada.

    Ele morreu e até hoje sou frustrada.

    Até meu Transtorno Obsessivo Compulsivo ainda traz o falecido como pauta.

    Sou frustrada e mal resolvida até hoje, com todas as consequencias socio-afetivas que isso inclui.


    P.S. Vivam as mulheres loucas!!!!!!

    ResponderExcluir
  24. "Por que todas as mulheres querem esquecer o tal do amor? Queria saber o que é amor para as mulheres... "

    A pergunta não seria: Porque o amor esquece de nós?...

    ResponderExcluir
  25. (Com a voz do locutor final do programa)...Natáááália, eu nunca em sã consciência penseim ou analisei essa música dessa forma...caramba...e o gato? e o sonho?...alguma conclusão mais digamos, uhmmm Descolada?...sempre, sempre seu fã...adoro ler e ris das desgraças da psicótica....

    ResponderExcluir
  26. Me identifiquei horrores com essa história da rua ladrilhada com pedrinhas de brilhantes... Sempre achei que ate deve ser legal ter um amor pra passear nessa rua junto com a gente, mas se e pra rua ser bem especial que seja para que o meu passeio seja perfeito, mesmo faltando o amor.
    Adorei!!!!

    ResponderExcluir
  27. Me identifiquei neste post pelo fato de eu também ter sonhos assim. Só que ao invés de um gato é um bebê!
    Até postei sobre este tipo sonho no meu blog, se quiser conferir: http://ingridpitanga.blogspot.com/2010/03/sonho-nosso-de-cada-dia-parte-ii.html
    Beeijo

    ResponderExcluir
  28. Quer saber? sonho com mil e uma coisas mais ou menos desse jeito...parte de mim sai do sonho a outra parte me procura para me matar! rsrsrs também tenho o meu lado psicótica, porém não gasto grana com analista, aqui qm casa tem um bar! Adorei o texto! bjão!

    ResponderExcluir
  29. Tenho vontade de saber o significado de alguns sonhos incômodos, mas meu contracheque não suportaria.

    Adorei a análise da musiquinha. Também não teria esse trabalho todo para meu amor passar. Mas nunca me ocorreu cantar "para o meu passar". Acho que falta compasso.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  30. Natália,
    acho que também nunca dei muita bola para o "amor", mas, pelo menos para mim, nem sempre vi como uma coisa boa. O amor é uma coisa boa de estar na nossa vida, mas eu fico sempre expulsando ele.
    Você já leu aquela crônica do Fernando Sabino: "O gato sou eu?". Não tem nada a ver com esse comentário, mas é bem engraçada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  31. Muito bom!

    Tô começando a blogar, te achei por um dos blogs da Cris Guerra, e amei.

    O meu aqui:http://su-poucoacucaremuitosal.blogspot.com/

    Terei muito prazer em recebê-la!

    ResponderExcluir
  32. Adoro ler o que você escreve... Você escreve muito bem! Abração! Patricia

    ResponderExcluir
  33. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  34. Eu deixaria o gato na gaveta, e se ele for legal e descolado e está ali porque ele quer?

    Só não lhe chamo de Bárbara, pois seria o nome do meu irmão, se ele não se chamasse Alessandro e fosse mulher, lógico.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  35. Não conhecia seu blog. Esbarrei com ele agora e adorei!
    Voltarei sempre.

    ResponderExcluir
  36. Sabe o que eu reparei...
    As pessoas que seguem este blog estão ficando tão psicóticas quanto vc, inclusive eu! Adoreeiiiiii!!! hahahahhahaa

    www.pgbateboca.blogspot.com
    @paullirodrigues

    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  37. Nathalia,

    Este texto ficou ótimo, um dos seus melhores viu?
    Acho que é muita pressão mesmo nessa história de ter que enfeitar a rua pra outro passar. É justo enfeitar o próprio caminho, afinal é você que tem que passar. Eu acho que devemos nós, ser o amor de nossas vidas.


    Beijos psicótica!

    ResponderExcluir
  38. Pois é Nathália, alguns querem outros não. Mas o amor vem de diversas formas! Aplaudo você por ter coragem de assumir que é uma pessoa não faminta por amor!

    ResponderExcluir
  39. Nossa, teu analista passa 40 minutos com você aqui na minha cidade é 50! e deve ser bem mais barato... hahahaha
    mas fora isso preciso dizer que por favor, ñ passe muito tempo sem atualizar esse blog, folia D é preciso, viver ñ é preciso! =D

    ResponderExcluir
  40. VOCE ME LASCA DE TANTO RIR!

    ResponderExcluir
  41. Tanta incompreensão! Já teve a sensação de ter nascido na época errada? Acho que é isso: suas referências estão no passado. Se o amor não é o que dá sentido a sua existência, como preencher este vazio existencial?

    ResponderExcluir
  42. Psicotica assumida ;)9 de outubro de 2011 05:20

    Ola, tenho 16 anos e simplesmente AMO seu blog, esse seu post foi sensacional!!! Concordo plenamente com vc, hj algumas pessoas perderam seu amor proprio e tranferem esse amor que deveria ser para si mesmo para outra pessoa!!! LAMENTAVEL!!! Vc 'e show Nathy!!!! *--*

    ResponderExcluir
  43. Fernanda Gervásio7 de novembro de 2011 00:17

    Natalia,
    me emocionei lendo o seu texto.
    Engraçado que eu também tenho uma história com essa música, mas a parte que eu cantava errada era outra.

    Se essa rua, se essa rua fosse minha;
    Eu mandava, eu mandava ela brilhar;
    com pedrinhas, com pedrinhas de brilhantes;
    Para o meu, para o meu amor passar.

    Ela brilhar...
    Como assim eu mandava ela brilhar??
    Tipo um feitiço a la Harry Potter??
    E aí Natalia, agora eu me ponho a pensar...significa?? rsrs

    Beijos e sucesso! ;D

    ResponderExcluir
  44. bizarro, meu sonho também era com bebê... um bebê fraquinho que diziam que era meu, mas eu não lembrava, e esqueci de alimentar e ele virava uma boneca e quebrava... horrível. e a música que mais me impressionava era Terezinha de Jesus. acho que por isso fiquei com essa ideia fixa de que um homem viria pra me resgatar, me levantar de uma queda... isso não deu certo mesmo, acabou com meu casamento... não é justo jogar esse peso nas costas de alguém. melhor compartilhar do que cuidar e pra isso a gente tem que SER alguma coisa, não dá pra estar vazio...

    ResponderExcluir
  45. Sabe? - Não... Que idiota a pergunta, você não tem como saber, mas é um velho vicio de linguagem – no xamanismo o gato significa liberdade, autoconfiança, intuição. – não que você não tenha como saber, mas é que eu não havia me referido antes quando fiz a pergunta ao assunto sugerido, mas que seja – Gosto de pensar que o sonho, a linguagem pessoal dessas imagens, tem muito do que esse símbolo significa para nós. Sempre que sonho com um animal procuro saber o que ele significa no xamanismo. Sonhei com um gato esses dias, mas ele na verdade falava comigo. Hoje, passei a tarde dormindo com a minha gatinha, mas não sei porque comento, talvez isso não diga respeito a você nem aos leitores. Mas de verdade, acredito muito na interpretação dos sonhos.

    ResponderExcluir
  46. E gosto muito do jeito que você fala... (Também gosto do que escreves, MUITO!) mas gosto do jeito que você fala nas entrevistas e programas.

    ResponderExcluir
  47. eu esquecia o passar

    ResponderExcluir
  48. Pqp eu sempre achei q era 'eu mandava eu mandava ELA BRILHAR' fui iludida

    ResponderExcluir

 
Designed by Thiago Gripp
Developed by Márcia Quintella
Photo by Biju Caldeira