natalia

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Foi Carnaval - uma trilogia em duas partes e uma rapidinha


Parte I - Matou a família e foi ao Uruguai

Os meus parentes, ao contrário dos parentes dos outros, que só sabem falar da vida alheia, apreciam muito a variação de assuntos. E eles variam entre comida, bebida e escatologia, numa intensidade que eu diria que flui de acordo com o ciclo digestivo de cada um deles.
Passar tempo com a minha família é como viver numa espécie de twitter do intestino grosso, frequentemente atualizado. E ninguém, ninguém precisa ou deve receber esse tipo de informação.
Mas a partir do momento em que eu aceitei viajar com eles, é como se eu tivesse feito o login na rede social mais fisiológica do universo, em que só se fala dos instintos mais primitivos - como devia acontecer na família do Roberto Jefferson.
De qualquer forma, lá estava eu, na fila do check-in, junto com todos eles. A cena era típica. Meu avô queria sair para fumar, enquanto minha mãe e minha tia insistiam para ele despachar a mala que estava pesada demais para ser carregada na mão e vazia demais para quem pretendia passar uma semana fora.
"Como assim não trouxe casaco, papai? E se fizer frio? Vai fazer frio. Você vai morrer de frio."
Enquanto isso, meu tio mantinha aquele olhar distante de quem planejava comprar bebida logo.
"A gente tem que comprar bebida logo", alertou, para a surpresa de - deixa eu ver - ninguém.
E meu primo fazia uma careta que só podia indicar que ele estava morrendo de fome.
"Eu estou morrendo de fome", verbalizou.
Quando terminamos de fazer o check-in, parte da familia foi comprar comida, parte foi comprar bebida, parte saiu para fumar e parte foi ao banheiro. Eu apenas me lembrei de que não havia colocado na mala um Gillette Sensor For Women de emergência, considerando que o destino era um lugar cheio de praias.
Então fui até à farmácia e comprei duas lâminas descartáveis, daquelas rosinhas, mas não das mais caras. Levei daquelas intermediárias, que também não eram das mais vagabundas. Fiz isso sem me dar conta do problema que eu teria logo a seguir, na hora de passar pelo detector de metais.
"A senhora pode abrir a bolsa?", pediu um dos fiscais.
Estranhei a solicitação, já que eu sempre havia passado ilesa por aquele setor.
"Claro", respondi, abrindo o zíper. "Algum problema?"
"É proibido embarcar com objetos cortantes, senhora", alertou a outra fiscal.
"Mas eu não planejo fazer isso, nada que tá aí corta. Exceto o Dramin, que corta meu enjôo durante a turbulência", e ri sozinha, tentando ser simpática.
Mas eles continuaram sérios, me encarando entediados.
"O que é isso, senhora?", perguntou o fiscal, tirando as lâminas da minha bolsa, que ainda estavam lacradas na embalagem de plástico.
"Gilette Sensor For Women", respondi prontamente.
"Meio vagabundo esse, né?", comentou a fiscal mulher.
"Não, esse é do intermediário", tratei de corrigi-la.
"Tem certeza? Porque parece muito com aquele mais barato", ela insistiu.
"Mas não é. Se você olhar a etiqueta, vai ver que o preço é bem intermediário."
"Bom, de qualquer forma, a senhora não vai poder embarcar com objetos cortantes. É perigoso."
"Perigoso? O que você acha que eu vou fazer? Sair pelo avião raspando as pernas das pessoas?"
"Com essa lâmina vagabunda, eu duvido muito."
"É da intermediária, ok?", rebati, me desfazendo delas.
E foi só entrar na sala de embarque, que o intestwitter da minha família recomeçou.
"Devia ter ido ao banheiro mais uma vez, será que dá tempo?"
"Ainda tô com fome, vai ter serviço de bordo?"
"Seis whiskies e oito vodkas são o suficiente?"
"Bom era o tempo em que se podia fumar no avião. Hoje em dia é uma frescura."
"Você vai morrer de frio, papai."
Então eu entendi o que os fiscais queriam dizer. Vagabundas ou não, aquelas lâminas eram realmente muito perigosas.

17 comentários:

  1. Coloca logo a outra parte, vá!
    Amei quando disse: 'Mas eu não planejo fazer isso, nada que tá aí corta. Exceto o Dramin, que corta meu enjôo durante a turbulência", e ri sozinha, tentando ser simpática.'

    HAHAHAH!

    ResponderExcluir
  2. hahahahaahhaahaha, sensacional, e a proposito sergio ia gostar de vc tb!!!

    ResponderExcluir
  3. hahahahaha
    Muito bom! Sua família é incrível, ela tem que figurar mais no blog.

    ResponderExcluir
  4. a tah q isso aconteceu???hauahauah

    ResponderExcluir
  5. Oi flor,

    Vim avisar que a Ouse com a sua entrevista já está nas bancas :) É a edição 4, tá com a Érika Mader na capa.

    Beeijo!

    ResponderExcluir
  6. Natália, este texto está genial, tô rindo muito aqui. E entendo exatamente o que vc passou..kkkkk

    Mas e as férias no Uruguai, foram bacanas? Punta del Leste ou Punta del Diablo?

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Minha nossa! Rachei de rir!
    Vc é óóóótema!

    É a 1ª vez que comento aqui, apesar de já ter feito outras poucas e rápidas visitas ao seu adorável blog.
    Vejo que preciso me corrigir!
    :)

    Bjão.

    ResponderExcluir
  8. Natalia, vc é demais!! AMEIIIII. Vi matéria com vc na Ouse e vim correndo conhecer seu blog! Mt mt mt legal! Tbm tenho um blog, dá uma olhada. É o Farofa com Sushi (http://farofacomsushi.blogspot.com/) e tbm um que compartilho com com duas amigas do trabalho, o Follow Upimentadas (http://followupimentadas3.blogspot.com/).

    Beijo grande e parabéns, Ju

    ResponderExcluir
  9. é filha... eles sempre sabem de tudo.

    vc ia desmontar a lamina e cortar a garganta de alguém

    ResponderExcluir
  10. O que é um carnaval em família?! Amei a história! Também passei o carnaval em família e uma das melhores coisas a se fazer é se colocar de fora de toda a história e assistir... pode se divertir muito assim! ;) beijão!!!

    ResponderExcluir
  11. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk adorei.
    Família, família...e agnt se diverte.

    xeru

    ResponderExcluir
  12. eu simplesmente AMEI o seu blog. Estou aqui dando gargalhadas a cada post. Eu adorei a forma irônica, meio sarcástica com que vc trata os assusntos. Muito legal ver o dia a dia ser tratado de forma tão nua e crua e com tanto humor! Grande abarço! Dany Be
    www.danybefashionweek.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. posta a segunda parte por favor, me fez pensar muito! adoreiiii

    ResponderExcluir
  14. Camila,
    Já postei.

    Cris,
    Brigada. Você é do Rio, né?

    Gregorio,
    Verdade. Eu tinha que falar mais da minha família maluca e menos dos caras ineptos com quem eu saio. Sugestão anotada.

    André,
    Você nunca vai saber...

    Ana Luiza,
    Adorei a matéria! Já te disse por e-mail. Beijão!

    Michele,
    Punta del Este. Mas a casa ficava num lugar tão longe que já devia ser a Punta que Pariu. Adorei a sua foto com a faca, super psico.

    K entre nós,
    Ah, que bom! Então trate de voltar mais vezes e comentar bastante!

    Juliana,
    Que legal! A matéria ficou muito boa! A Ana Luiza Ribeiro, repórter, mandou muito bem! Vou passar lá no farofa com sushi.

    Cruela,
    A minha própria, provavelmente.

    Julia,
    Exato! É quase uma experiência antropológica.

    Yasnaya,
    Né não?

    Dany Braga,
    Poxa, brigadão! Fico muito feliz! Apareça mais vezes!

    Marina,
    Postei, postei!

    Beijos a todos,
    Natalia.

    ResponderExcluir

 
Designed by Thiago Gripp
Developed by Márcia Quintella
Photo by Biju Caldeira