natalia

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Da Série: Rapidinhas da Psicótica


Ontem, na fila de uma lanchonete, ouvi um homem adulto cantarolar a seguinte pérola para uma criança:
"Vou comer açaí-í-í". Virei para trás, para ver de onde tinha saído aquela frase que soava como o refrão de uma música da Xuxa. "E você?", ele perguntou para o menininho em seu colo. "Vai querer suquinho de que frutinha? Vai querer de moranguinho? De laranjinha?", e seguiu enumerando sabores no diminutivo, como se tivesse algum tipo de problema mental.
Na boa. Se esse cara falasse desse jeito infantilóide com um filho meu, eu ia matar. Não, não. Eu ia sodomizar e depois matar. Se bem que ele ia acabar gostando da primeira parte. Aposto que se ele pudesse fazer um último pedido antes de morrer, seria: "Por favor, me sodomize." Então, melhor só matar mesmo. Ou aparecer com um homem lindo, alto e forte, e dizer: "Oi, esse aqui é o Raul e ele NÃO está aqui para te sodomizar." Assim o cara ia morrer mais triste.
Enfim, isso tudo foi só pra dizer que existe algo no mundo que me irrita mais do que crianças. E são adultos que falam como crianças. Não há nada mais perturbador e equivocado do que baby talk. Especialmente quando o "bebê" que está na cama tem mais de 21...

E continuem mandando fotos de casais dos anos 70 para adoravelpsicose@gmail.com! Tô adorando receber!

9 comentários:

  1. pelo menos ele estava falando COM uma criança. pior é baby talk entre adultos. pior ainda é baby talk entre adultos, que são um casal E na frente de terceiros.

    ResponderExcluir
  2. Márcia-Fita-Crepe,
    Sou contra o baby talk em qualquer circunstância. Com uma criança, além de infanto-mongolizá-la, ainda reduz substancialmente as chances dela um dia ganhar o prêmio Nobel da Física. Entre adultos... é só irrito-enauseante mesmo.

    Gabriel,
    A minha necessidade constante de aprovação me leva a querer me retratar. Mas não vou fazer isso. Até porque eu não levo a sodomia tão a sério. Isso seria muito século XIV.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Natalia, sou o Tiago, amigo da Cynhthia, estava ontem no churrasco.
    Li que estav aprocurando por fotos de casais nos anos 70, o flickr e um excelente local.

    http://www.flickr.com/search/?w=all&q=couples+of+the+70s&m=text

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi, Natalia! Faz um tempo que acompanho o seu blog e adoro os seus textos, são super bem escritos (já passei uns bons minutos rindo horrores com eles).

    Cara, tô na mesma que você. Depois de crianças, o que mais me irrita nesse mundo é baby talk. Acho que até os bebês devem ficar meio putos.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  5. Oláá, me mijei de rir aqui...
    Muito legal...

    Ainda mais conhecendo o Last Name Klein:

    Klein (pronúncia alemã:klaɪn; holandesa:klɛɪn) é a palavra holandesa e alemão para “pequeno”, que veio ser usado também como um nome de família.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Klein

    Forte abraço Nataliazinha!

    ResponderExcluir
  6. E eu quero "eu" nos anos 70.
    Vou te enviar minha foto.
    Tenho poucas, porque deu uma neura e dei todas prá filha - que é toda organizada e já fez álbum mas não me devolve por nada.
    Gostei daqui e só no final é que peço "licença".

    ResponderExcluir
  7. Tô cansada e surda de verdade de 1 orelha, ouvido sei lá.
    Ah...pensando bem, não vou tratar não.
    Às vezes, é melhor ser surdo ou meio surda do que ouvir umas certas coisinhas...
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  8. Que tal um psychotic baby talk?
    Seria o ápice da incompreensão não gostar.

    ResponderExcluir

 
Designed by Thiago Gripp
Developed by Márcia Quintella
Photo by Biju Caldeira